Hi, there!

Aparecendo por aqui depois de um século para responder uma pergunta que centenas de milhares de umas 20 pessoas me fazem direto:

Por que você não atualiza mais o seu site, querida, inteligente, gentil e linda Gabi? (believe me, a pergunta sempre vem assim – alerta de pessoa irônica).

A resposta é simples: no tengo paciencia! (e “no sabo” falar espanhol direito).

Com o avanço das redes sociais (sorry, eu acordei hoje a fim de usar uns clichês) o povo também não tem muita paciência de ler textos de blog, aqueles mais longos, tipos os meus, típicos de jornalista que não consegue se conter e escrever só dois parágrafos – tudo precisa ser quase uma dissertação de mestrado. Hoje, postar é mais simples e rapidinho no Facebook e, especialmente no Instagram (lá no Insta eu tenho limite de caracteres na legenda, o que me obriga a limitar minhas dissertações àqueles dois parágrafos – ô, dor).

If you are new here (também acordei multilíngue), vamos a um breve resumo da minha vida de blogueira. Blogueira desde quando blog nem era uma coisa tão mainstream quando é hoje. Blogger raiz, you know?

2008
No longínquo 2008, quando os dinossauros ainda habitavam a Terra, fiquei noiva do rapazinho que vem a ser meu marido até hoje (tá durando). Como toda bridezilla, me fui para a web para procurar blogs de outras gurias que estavam de casamento marcado para trocar experiências. Isso é bem comum nos Estados Unidos: colocou a aliança no dedo e já sai criando blog. Como a minha mana é Wedding Planner, eu conhecia esse hábito gringo. O fato é que achei pouca coisa no Brasil e na-da em Porto Alegre. Falei com umas amigas, elas me incentivaram a criar um. Tcharam: foi para o ar o blog com nome horroroso de Noiva.com (alusão a noivas que estão na web, sabe? Achei lindo na época, mas hoje not so much).  Eu achava que o bichinho teria umas 15 views por mês, todas das minhas madrinhas, porém ele foi way more bem sucedido. Em pouco tempo, acumulava mais de um milhão. Virei referência na área, dava mil entrevistas, ganhei matéria de quatro páginas em revista nacional, organizei eventos de noivas que reuniram mais de 2 mil pessoas. It was big. Really big! Temos aqui eu e meu pai dançando no Bom Dia Brasil, da Globo. Hahaha!

29700746_GABRIELI_E_MARCELO

O casório, em 22/05/2010. Marido ainda tinha cabelo.

2014
Fui blogando, blogando e blogando sobre casórios. Em 2010, casei. E daí, já confessei, falar só sobre casamentos estava começando a me incomodar. O frisson por decoração, flores, vestido de noiva e afins já não era mais o mesmo. Para seguir exercitando minhas dissertações de mestrado online, o Noiva.com se transformou num blog com meu nome: Gabi Chanas (sério, gata?). É mais ou menos o que rola aqui: eu falava de uma gama variada de assuntos femininos que me interessavam, até porque trabalhava na revista Donna, do jornal Zero Hora, voltada para mulheres. Era uma extensão do job no jornal. Até tinha coisas sobre casamento, mas não era tema exclusivo.

gabi-chanas-013

Crazy: lancei esse novo formato com uma “casa de blogueira” dentro do shopping Iguatemi. E recebi lá, em uma semana, mais de mil pessoas que foram me dar abraços e desejar boa sorte na nova jornada.

2016
Recebi uma proposta profissional linda e fui morar em São Paulo. Era uma oportunidade ó-ti-ma e eu quis colocar toda minha energia nela. Avisei que daria um pause no blog, sem postar mais nada até que conseguisse voltar a dar a atenção que ele merecia (e o pobrezinho merece mesmo: a home está toda quebrada e precisando que eu mexa nela URGENTE).

Entrei para compor um novo momento da poderosa e linda Ana Couto Branding.

2017
Voltei. Deu saudade. E voltei maior, com esse portal aqui, cheio de blogs escritos por mim e por outras gurias (viagens, futebol, mães etc). Teoricamente, esse formato segue até hoje, mas nem eu e nem essas garotas seguimos super empolgadas de postar direto. Como eu disse, com o avanço da internet (olha o clichê de novo na sua tela), rede social virou quase que o novo modelo de blog. E me agradou a ideia.

GC

Petit comité com amigos da imprensa para o meu “eu voltei”.

2018
Quer ver como as redes sociais viraram o novo blog? Em 2018, eu me fui para Londres para cobrir o casamento real entre o Harry e a Meghan (já tinha ido em 2011 para cobrir o do William da Kate e alimentar minha paixão por postar coisas da realeza – me deixa ter uma futilidade na vida, faça o favor). Cobri tudo através do meu Instagram. Tu-do. Virei correspondente do Glamurama (maior – e mais legal – site de celebridades do Brasil) para royal assuntos e a galera curtiu o formato. Daí eu segui. Hoje, acessando meu IG, a galera encontra as novidades mais quentes (agora eu me superei no clichê brega) sobre a tia Elizabeth e sua família.

Olar!

Escrever aqui ocupa mais tempo (enquanto fazia este posts, vi dois episódios de Mad Men). Não digo que nunca vou voltar a escrever direto neste digno espaço, mas hoje as redes atendem mais ao meu propósito.

So, this is the reason why you don’t see me here everyday. But, baby, você me vê de forma até irritante nas redes com posts sobre royal family, meu cachorro e algumas coisitas extras da vida. Meu dog Dunga D’Alessandro CÃOvida (tundum tsssss), e eu também, a seguir a gente no Instagram: é @gabi.chanas. Não é interessante como passar a madruga vendo Telecine Cult ou lendo romances policiais (vício, vício), mas rende umas risadas quando eu acordo de bom humor.

Aqui neste link tem Dunga em momento superstar no programa Mais Você, da Ana Maria Braga. Aparecemos a partir dos 2’52”.

That’s it. Resumo: não atualizo aqui, atualizo nas redes e estou aberta a, quem sabe, um dia, largar as redes e voltar para cá ou fazer um mix das duas coisas. I’ll go with the flow and I hope you join me. Seria bem chato fazer isso sozinha.

Parti para mais uma rodada de Hitchcock (porque ele merece que eu veja Os Pássaros e Vertigo pela milésima vez). Pessoa estranha essa que vê filme de suspense antigo, lê uns 3 Agatha Christies por mês, ouve música coreana e Ramones, escrevia sobre empoderamento feminino e hoje fala de família real. Né?

Bye! Nos vemos nas redes!