Por Vane Chaves

O jogo foi sofrível.

O primeiro tempo desastroso, mostrou uma equipe atrapalhada, desorganizada tentanto se achar em campo.

Guto mexeu no intervalo, mudou o posicionamento de alguns jogadores e outro time entrou em campo no segundo tempo.

Começou veloz, atacando e marcando no campo adversário. Assim que chegou a metade do segundo tempo o time sucumbiu ao cansaço. Dalessandro que é sempre a referência do time dava sinais de exaustão  Pra quem não sabe, do início do ano ate agora, Dalessandro jogou mais partidas pelo Inter, do que o ano passado inteiro no River.

Estamos exaurindo nosso capitão simplesmente porque não há substituto que faça um bom trabalho na sua posição . Problema antigo alias, que o Inter ainda não resolveu.

Cedemos o empate ao Juventude. Não bastasse todo o resto, ficou claro que o jogo ocorreu numa falha da zaga. Mais uma, aliás.

E então veio pra mim, a melhor parte do jogo: a entrevista coletiva de Guto Ferreira.

Jogo pra mim só acaba quando termina. A coletiva, no caso.

Certeiro. Começou dizendo que felizmente o jogo acabou, caso contrário o empate poderia virar derrota. Pra mim isso é um traço muito claro de quem é realista e consciente.

Falou sobre a necessidade de um rodízio de jogadores pela sucessão de jogos próximos. (Da-lhe folga pro Dale, Guto!)

E me deu uma impressão muito positiva, quando deixou claro que o grupo estará blindado, ao responder a um jornalista que jamais falaria em contratações em entrevista alguma,  porque tem uma equipe dentro do vestiário que precisa ser motivada.

Que Guardiola, o quê. De agora em diante sou #teamguto